DOI: https://doi.org/10.21829/myb.2009.1521191

Avaliação do potencial energético das espécies florestais Acacia auriculiformis e Ormosia paraensis cultivadas no município de Iranduba/Amazonas, Brasil

Sâmia Valéria dos Santos Barros, Nabor da Silveira Pio, Claudete Catanhede do Nascimento, Suely de Souza Costa

Resumen


No município de Iranduba, Estado do Amazonas – Brasil há grande consumo de madeira pelas comunidades locais para fabricação de carvão, e pelas olarias na queima para produção de tijolos. Diante deste panorama, a EMBRAPA vem desenvolvendo um projeto visando implementar plantios nas comunidades deste município. Neste contexto, o presente trabalho tem como objetivo avaliar as espécies Acacia auriculiformis (exótica) e Ormosia paraensis (nativa) a partir das variáveis dendrométricas, determinação da densidade básica, poder calorífico e análise imediata. O experimento foi implantado na Estação Experimental da EMBRAPA no município de Iranduba. O delineamento foi em blocos ao acaso com três repetições perfazendo um total de 6 parcelas compostas de 25 plantas cada. Foram retiradas cinco árvores dentre as nove centrais da área útil. Destas foram retirados os discos com 5cm espessura e desdobrados em corpos de prova para determinar a densidade básica e demais testes. Foi efetuada a análise de variância e teste de Tukey a 5% de probabilidade para todos os testes realizados. A A. auriculiformis (23,61cm-15,90m) superou a O. paraensis (7,26 cm7,06 m) em diâmetro a altura, respectivamente. As espécies mostraram densidade média, onde A. auriculiformis (0,63 g/cm3) superou a O. paraensis (0,55 g/cm3) . O potencial calorífico encontrado para A. auriculiformis (4383,65 kcal/kg) foi superior estatisticamente ao encontrado na O. paraensis (4381,24 kcal/kg). Na análise imediata a A. auriculiformis superou a O. paraensis, mas foi inferior em carbono fixo. Os resultados conduzem ao emprego das duas espécies para plantio por apresentaremse promissoras para o cultivo e uso final como fonte energética proposto no trabalho.

Palabras clave


Análise imediata; biomassa; densidade básica; plantio; poder calorífico

Texto completo:

PDF

Referencias


Araújo, L.V.C., L.C.E. Rodriguez y J.B. Paes. 2000. Características físicoquímicas e energéticas da madeira de Nim indiano. Scientia Forestalis 57: 153-159.

Arola, R.A. Wood fuels–How do they stack up? 1976. Forest Products Research Society, November 15-17. Atlanta, Georgia. 12 pp.

Brasil, M.A.M. y M. Ferreira. 1971. Variação da densidade básica da madeira de Eucalyptus alba Reinw, Eucalyptus saligna Smith e Eucalyptus grandis Hill ex-Maiden aos 5 anos de idade, em função do local e do espaçamento. IPEF Vol.2. No. 3:129-49.

Brito, J.O. 1993. Expressão da produção florestal em unidades energéticas. In: VI Congresso Florestal Brasileiro, 6., Pan Americano, 1, Curitiba, Anais. Curitiba: SBS. p. 280-282.

Farinhaque, R. 1981. Influência da umidade no poder calorífico da madeira de bracatinga (Mimosa scrabella, Benth) e aspectos gerais de combustão. Curitiba: FUPEF, Série Técnica. 14 pp.

Howard, A.M. 1973. Heat of combustion of various southern pine materials. Wood Science Vol. 5:194-197.

Jara, E.R.P. 1989. O poder calorífico de algumas madeiras que ocorrem no Brasil. São Paulo: IPI. 6p. (Comunicação Técnica, 1797).

Loureiro, A.A., M.F. Freitas, J.C. Alencar. 1997. Essências madeireiras da Amazônia. Vol. II. Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico/ CNPq. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/INPA. Manaus-AM.

Marabotto, M.T., A.C.Moena. Cunha, M.P.S.C. 1991. Alternativas energeticas de veintiocho especies forestales de la Amazonia Peruano-Brasileña. Série Técnica, n. 02. Lima Perú. 46 pp.

Ministério da Agricultura Secretaria Nacional de Planejamento Agrícola. 1979. Aptidão agrícola das terras do Amazonas. Estudos básicos para o planejamento agrícola, aptidão agrícola das terras. 121. Brasília. Brasil. 142 pp.

Oliveira, B. 1982. Produção de carvão vegetal: aspectos técnicos. In Produção e utilização de carvão vegetal. CETEC, MG. p: 61-73.

Rensi Coelho, A.S., H. A. Mello e J. W. Simões. 1970. Comportamento de espécies de eucaliptos face ao espaçamento. IPEF, Vol. 1:29-55.

Rezende, M.A., J.R.C. Saglietti, R. Chaves. 1998. Variação da massa especifica da madeira de Eucalyptus grandis aos 8 anos de idade em função de diferentes níveis de produtividade. Scientia Forestalis 53: 71-78.

Ribeiro, M.N.G. 1976. Os aspectos climatológicos de Manaus. Acta Amazônica 6(2): 229-233.

Salomão, C.C. 1993. Eucalipto – vilão ou herói? Planta exótica. Revista Silvicultura. Ano XIII. No. 50. p. 23.

Shumacher, M.V. 2003. Aspectos ambientais das plantações de Pinus e Eucaliptos. Revista da Madeira, Ano 13 No. 77: 92-94.

Vale, A.T., N.C. Fiedler e G. F. Silva. 2001. Avaliação energética da biomassa do cerrado em função do diâmetro das árvores. Ciência Florestal, Santa Maria. Vol. 12. No. 2: 115-126.

Vale, A.T., M.A.M. Brasil, A.L. Leão. 2000. Caracterização da madeira e da casca de Sclerolobium paniculata, Dalbergia miscolobium e Pterodon pubescens para uso energético.UNESP /Botucatu-SP.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2016 Madera y Bosques

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.


Madera y Bosques, Vol. 24, Núm. 1, Primavera 2018, es una publicación cuatrimestral editada por el Instituto de Ecología, A.C. Carretera antigua a Coatepec, 351, Col. El Haya, Xalapa, Ver. C.P. 91070, Tel. (228) 842-1835, http://myb.ojs.inecol.mx/, mabosque@inecol.mx. Editor responsable: Raymundo Dávalos Sotelo. Reserva de Derechos al Uso Exclusivo 04-2016-062312190600-203, ISSN electrónico 2448-7597, ambos otorgados por el Instituto Nacional del Derecho de Autor. Responsable de la última actualización de este Número, Reyna Paula Zárate Morales, Carretera antigua a Coatepec, 351, Col. El Haya, Xalapa, Ver., C.P. 91070, fecha de última modificación, 25 de abril de 2018.

Las opiniones expresadas por los autores no necesariamente reflejan la postura del editor de la publicación.

Madera y Bosques por Instituto de Ecología, A.C. se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

 

Licencia Creative Commons

  Los aspectos éticos relacionados con la publicación de manuscritos en Madera y Bosques se apegan a los establecidos en el COPE.

  Gestionando el conocimiento