Iwakiri, Trianoski, Nascimento, Juizo, Lengowski, Bilcati, and Gonçalves: Painéis aglomerados produzidos com seis espécies de madeiras tropicais da Amazônia



Introdução

As indústrias de painéis aglomerados no Brasil estão instaladas nas regiões sul e sudeste, para atender à demanda dos principais polos moveleiros localizados nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. As florestas plantadas de Pinus e Eucalipto são as bases de suprimento de madeira para as indústrias de painéis aglomerados. Embora as regiões norte e centro-oeste do país tenham disponíveis extensas áreas de florestas tropicais nativas, poucos estudos têm sido realizados sobre a viabilidade de utilização de madeiras tropicais para produção de painéis aglomerados. O aproveitamento de resíduos provenientes das serrarias e laminadoras, além de espécies pouco conhecidas comercialmente, pode ser uma alternativa interessante para instalação de pequenas fábricas de painéis aglomerados na região amazônica e, por conseguinte, abrir perspectivas de instalação de polos moveleiros na região, reduzindo as dependências de importação de móveis de regiões sul e sudeste do país a custos elevados (Iwakiri, Vianez, Weber, Trianoski e Almeida 2012).

Uma intensificação no uso da madeira como matéria-prima para fins industriais ou construtivos só pode ocorrer a partir do conhecimento adequado de suas propriedades, sejam elas físicas, químicas ou mecânicas. A madeira, por ser elemento orgânico, heterogêneo e composto basicamente de celulose, hemicelulose, lignina e extrativos, apresenta enorme versatilidade de usos para obtenção de uma série de produtos (Gonçalves, Oliveira, Lucia e Sartório, 2009).

As propriedades anatômicas, físicas e químicas das diferentes espécies florestais são parâmetros importantes na fabricação de produtos reconstituídos de madeira. Segundo Marra (1992), as propriedades da madeira possuem forte influência na formação da ligação adesiva e, geralmente, as madeiras de folhosas apresentam mais dificuldades para colagem do que as de coníferas devido a sua composição química diferenciada.

A escolha de espécies de madeira para produção de painéis aglomerados deve ser baseada em alguns parâmetros como a densidade, pH e extrativos (Moslemi, 1974, Maloney, 1993, Tsoumis, 1991). A densidade da madeira é um dos requisitos básicos na escolha de espécies para produção de aglomerados, devido a sua influência na razão de compactação, que é a relação entre a densidade do painel e a densidade da madeira. Segundo os autores, a razão de compactação deve ser de no mínimo 1,3 para assegurar uma área de contato satisfatória entre as partículas e densificação suficiente para a formação do painel. Kelly (1977), afirma que, para painéis de mesma densidade, produzidos com madeira de baixa densidade, as suas propriedades mecânicas serão superiores, entretanto, a sua estabilidade dimensional será inferior em comparação aos painéis produzidos com madeira de alta densidade. Segundo o autor, nos painéis com maior razão de compactação, há maior quantidade de partículas de madeira e, consequentemente, ocorrerá maior densificação do painel, resultando em maior inchamento higroscópico da madeira e liberação de maiores tensões de compressão geradas durante o processo de prensagem à alta temperatura. Maloney (1993) afirma que as espécies com densidade de até 0,55 g/cm³ são as mais adequadas para produção de painéis de partículas de madeira, por atingirem uma razão de compactação entre 1,3 e 1,6. Numa pesquisa conduzida por Vital, Lehmann, e Boone (1974) sobre painéis aglomerados produzidos com Virola spp., uma espécie de madeira tropical da Amazônia, com massa específica aparente de 0,43 g/cm3, o aumento na razão de compactação dos painéis de 1,2 (baixa) a 1,6 (alta), resultaram em aumentos significativos nos resultados de tração perpendicular e flexão estática (MOE e MOR).

Com relação ao pH e extrativos da madeira, Marra (1992) afirma que estes parâmetros podem influenciar diretamente na cura da resina e, consequentemente, na qualidade dos painéis produzidos. O pH da madeira pode variar entre 3,0 a 5,5 e de acordo com Kelly (1977), madeiras com pH muito ácido podem causar a pré-cura da resina uréia-formaldeído durante a fase de fechamento da prensa, prejudicando o grau de adesão entre as partículas e reduzindo os valores das propriedades mecânicas dos painéis. Por outro lado, madeiras que apresentam pH pouco ácido requerem quantidade um pouco maior de catalisador para acelerar a cura da resina uréia-formaldeído. Quanto a influência dos extrativos na polimerização e cura do adesivo, Marra (1992) afirma que madeiras com elevados teores de extrativos apresentam dificuldades de colagem resultando em baixa resistência da ligação adesiva entre as partículas.

Objetivos

Este trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade de painéis aglomerados produzidos com seis espécies de madeiras tropicais da Amazônia, com base na análise comparativa dos resultados de suas propriedades físicas e mecânicas com painéis de Pinus taeda e requisitos da norma EN 312:2002 (European Standard [EN], 2003).

Materiais e métodos

Materiais

As seis espécies de madeiras tropicais estudadas neste trabalho foram: Byrsonima crispa, Eschweilera coriacea, Eschweilera odora, Manilkara amazonica, Pouteria guianensis e Swartzia recurva, provenientes da Estação Experimental ZF-2 do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, localizada no Município de Manaus, Estado do Amazonas. Como referência comparativa foram utilizadas partículas de madeira de Pinus taeda coletadas numa indústria de aglomerados localizada no município de Araucária, Estado do Paraná, tendo em vista ser a espécie mais empregada para produção de painéis aglomerados no Brasil. Para a colagem, foi utilizada a resina ureia-formaldeído com teor de sólidos de 65%, catalisador a base de sulfato de amônia e emulsão de parafina.

Metodologia de pesquisa

As amostras de madeiras foram obtidas na forma de pranchas a partir de três árvores coletadas aleatoriamente na floresta e posteriormente transformadas em partículas de madeira num picador de disco com as seguintes dimensões nominais: comprimento de 25 mm, espessura de 0,7 mm e largura variável. Após a secagem ao teor de umidade médio de 3%, as partículas foram reprocessadas no moinho de martelo para redução nas dimensões e classificadas em peneira de malha 0,6 para retirada de “finos”.

A massa específica básica da madeira foi determinada de acordo com procedimentos recomendados pela Norma COPANT 461:1972 (Comissão Panamericana de Normas Técnicas [COPANT], 1972). Já com relação às propriedades químicas, as análises realizadas foram extrativos totais (Technical Association of the Pulp and Paper Industry [TAPPI], 1997) e pH (TAPPI, 2002).

Foram produzidos em laboratório três painéis aglomerados para cada espécie, num total de 21 painéis, com as dimensões de 50 cm × 38 cm × 1,3 cm e densidade nominal de 0,75 g/cm³, conforme plano experimental apresentado na Tabela 1.

Tabela 1

Plano experimental.

Tratamento Espécie
1 Byrsonima crispa
2 Eschweilera coriacea
3 Eschweilera odora
4 Manilkara amazonica
5 Pouteria guianensis
6 Swartzia recurva
7 Pinus taeda

A resina ureia-formaldeído catalisada com sulfato de amônia foi aplicada sobre as partículas em quantidade de 8% de sólidos em relação ao peso seco das partículas. Foi aplicada também 1% de emulsão de parafina com finalidade de reduzir a absorção de água. Para a formação do colchão de partículas foi utilizada uma caixa formadora vazada com dimensões laterais de 50 cm × 38 cm e uma barra de aço com espessura de 1,3 cm como limitador de espessura do painel. Os painéis foram prensados à temperatura de 160 °C, pressão específica de 4,0 MPa e tempo de prensagem de oito minutos.

Após a prensagem, os painéis foram esquadrejados e acondicionados em câmara climática com temperatura de 20 °C ± 2 °C e umidade relativa de 65% ± 3%, até sua estabilização ao teor de umidade médio de 12%.

Para avaliação das propriedades físico-mecânicas foram retirados de cada painel cinco corpos-de-prova para ensaios de massa específica aparente, quatro para flexão estática, cinco para tração perpendicular (ligação interna), cinco para absorção de água e inchamento em espessura após duas e 24 horas de imersão em água, três para arrancamento de parafusos na superfície e três no topo. Os ensaios foram realizados de acordo com os procedimentos descritos na Norma Europeia EN 323:2003, EN 310:2003, EN 319:2003, EN 317:2003 e NBR 14810-3:2006 (ES, 2002d; 2002a; 2002c; 2002b; Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT], 2006b), respectivamente.

Os resultados obtidos foram submetidos a analise estatística na ferramenta Statgraphics Centurion XV-II e os testes foram Grubbs, Skewness, Kurtosis, Bartlett, Análise de Variância. Uma vez rejeitada a hipótese nula, afirmando uma fonte única dos dados, foram realizados testes de medias de Tukey (95% de probabilidade).

Resultados

Propriedades da madeira

Na Tabela 2 estão apresentados os valores médios de massa específica básica, teor de extrativos totais e pH da madeira para as seis espécies estudadas.

Tabela 2

Propriedades da madeira.

Espécie MEbásica (g/cm 3 ) Extrativos totais (%) pH
Byrsonima crispa 0,689 (15,09) 3,19 (3,07) 5,35 (5,14)
Eschweilera coriacea 0,748 (16,45) 7,79 (4,26) 4,91(2,75)
Eschweilera odora 0,637 (9,74) 7,68 (9,82) 5,00 (4,61)
Manilkara amazonica 0,841 (9,92) 9,24 (5,82) 3,99 (6,90)
Pouteria guianensis 0,738 (4,24) 3,16 (7,36) 6,16 (4,88)
Swartzia recurva 0,749 (5,33) 6,53 (5,29) 5,18 (3,80)
Pinus taeda 0,450 3,37 (6,12) 4,58 (0,88)

[i] ME: Massa específica; Valores entre parênteses referem-se ao coeficiente de variação.

A Eschweilera odora foi a espécie que apresentou menor massa específica básica com 0,637 g/cm³ e a Manilkara amazônica a que apresentou maior valor médio com 0,841 g/cm³, sendo consideradas madeiras de média a alta massa específica básica.

Os valores médios de teor de extrativos totais variaram na faixa de 3,16% para Pouteria guianensis e 9,24% para Manilkara amazônica. Com exceção das madeiras de Pouteria guianensis e Byrsonima crispa, as demais espécies tropicais apresentaram valores de extrativos totais bem acima do valor médio obtido para Pinus taeda de 3,37%. Com relação ao pH, os valores médios variaram de 3,99 para Manilkara amazônica e de 6,16 para Pouteria guianensis.

Propriedades físicas dos painéis

Na Tabela 3 estão apresentados os valores médios de massa específica, razão de compactação, absorção de água e inchamento em espessura após 2 horas e 24 horas de imersão em água dos painéis.

Tabela 3

Resultados médios das propriedades físicas dos painéis.

Tratamento ME 12% (g/cm 3 ) RC AA 2h (%) AA 24h (%) IE 2h (%) IE 24h (%)
Byrsonima crispa 0,749 a
(6,43)
0,88 c
(5,75)
23,27 b
(33,32)
47,70 b
(21,89)
7,78 b
(18,05)
16,66 bc
(19,17)
Eschweilera coriacea 0,730 a
(4,14)
0,96 b
(4,81)
7,34 e
(25,12)
22,52 d
(15,97)
2,05 c
(30,77)
8,28 cd
(14,28)
Eschweilera odora 0,730 a
(5,61)
0,82 d
(6,22)
15,22 c
(18,32)
39,53 c
(17,65)
3,65 c
(49,60)
13,38 c
(18,53)
Manilkara amazonica 0,741 a
(5,95)
0,90 c
(4,89)
10,81 d
(30,02)
23,79 d
(20,52)
2,46 c
(37,72)
6,89 d
(21,59)
Pouteria guianensis 0,738 a
(5,38)
0,99 b
(5,44)
20,18 b
(31,23)
40,35 bc
(16,86)
4,09 c
(40,93)
12,04 c
(18,70)
Swartzia recurva 0,741 a
(6,81)
0,78 d
(7,29)
22,35 b
(29,10)
44,19 b
(16,27)
7,72 b
(22,26)
18,74 b
(13,49)
Pinus taeda 0,697 b
(5,35)
1,59 a
(5,74)
48,18 a
(17,94)
85,18 a
(6,01)
15,49 a
(23,45)
35,23 a
(12,02)

[i] ME: Massa específica; RC: razão de compactação; AA: Absorção de água; IE: Inchamento em espessura; médias seguidas da mesma letra na mesma coluna são estatisticamente iguais pelo teste de Tukey a 95% de probabilidade. Valores entre parêntese indicam o coeficiente de variação. Resultados de AA e IE ajustados pela análise de covariância para massa especifica aparente de 0,745 g/cm3.

Os valores médios de massa específica dos painéis variaram de 0,697 g/cm³ para painéis de Pinus taeda a 0,749 g/cm³ para painéis de Byrsonima crispa. A razão de compactação dos painéis variou de 0,78 para painéis de Swartzia recurva e 1,59 para painéis de Pinus taeda. Tanto para a massa específica, quanto para a razão de compactação, foram constatadas diferenças estatisticamente significativas entre as médias obtidas para as diferentes espécies.

Os valores médios de absorção de água variaram de 7,34% a 48,18% após 2 horas, e de 22,52% a 85,18% após 24 horas de imersão em água. Tanto para 2, quanto para 24 horas de imersão, os painéis de Pinus taeda, apresentaram valor médio de absorção de água estatisticamente superior em relação aos painéis produzidos com madeiras tropicais. Para 2 horas de absorção, os painéis de Eschweilera coriácea apresentaram média estatisticamente inferior em relação aos painéis das demais espécies. Já, para 24 horas de absorção, os painéis de Eschweilera coriácea e Manilkara amazônica foram os que apresentaram média estatisticamente inferior em relação aos painéis das demais espécies.

Os valores médios de inchamento em espessura variaram de 2,05% a 15,49% após 2 horas, e de 6,89% a 35,23% após 24 horas de imersão em água. Tanto para 2, quanto para 24 horas de imersão, os painéis de Pinus taeda, apresentaram valores médios de inchamento em espessura estatisticamente superiores em relação aos demais tratamentos. Para inchamento após 2 horas, os painéis de Eschweilera coriácea, Manilkara amazônica, Eschweilera odora e Pouteria guianensis apresentaram média estatisticamente inferior em relação aos painéis das demais espécies. Para inchamento após 24 horas, os painéis de Manilkara amazônica e Eschweilera coriacea apresentaram média estatisticamente inferior aos painéis das demais espécies.

Propriedades mecânicas dos painéis

Na Tabela 4 estão apresentados os valores médios de módulo de ruptura, módulo de elasticidade, tração perpendicular, resistência ao arrancamento de parafusos na superfície e topo dos painéis.

Tabela 4

Resultados médios das propriedades mecânicas dos painéis.

Tratamento MOR (MPa) MOE (MPa) TP (MPa) RAP-S (N) RAP-T (N)
Byrsonima crispa 14 bc
(16,79)
2151 b
(12,54)
1,01 a
(16,77)
1310 ab
(6,03)
1470 ab
(24,13)
Eschweilera coriacea 15 ab
(13,99)
2692 a
(9,62)
0,80 b
(19,90)
1288 ab
(4,11)
1179 b
(13,50)
Eschweilera odora 15 ab
(16,49)
2119 b
(14,59)
1,04 a
(15,00)
1237 b
(5,96)
1491 a
(22,59)
Manilkara amazonica 11 c
(24,52)
2050 b
(15,05)
0,75 bc
(24,43)
1175 b
(7,04)
1094 b
(29,82)
Pouteria guianensis 14 b
(16,86)
2206 b
(13,73)
0,83 b
(18,15)
1444 a
(8,13)
1183 b
(25,22)
Swartzia recurva 10 c
(19,85)
1719 c
(17,47)
0,83 b
(15,98)
1172 b
(7,29)
1205 b
(24,69)
Pinus taeda 16 a
(21,53)
2192 b
(9,95)
0,70 c
(14,85)
1395 a
(4,34)
1580 a
(11,95)

[i] MOR: Módulo de ruptura; MOE: Módulo de elasticidade; TP: Tração perpendicular ao plano do painel; RAP-S/RAP-T: Resistência ao arranchamento de parafuso - superfície/topo; Médias seguidas da mesma letra na mesma coluna são estatisticamente iguais pelo teste de Tukey a 95% de probabilidade. Valores entre parêntese indicam o coeficiente de variação. Valores ajustados por análise de covariância para massas específica aparentes de 0,731 g/cm3 (Flexão estática), 0,750 g/cm3 (Tração perpendicular), 0,722 g/cm3 (RAP).

Os valores médios de módulo de ruptura (MOR) variaram de 10,01 MPa (Swartzia recurva) a 16,95 MPa (Pinus taeda). Os painéis produzidos com madeira de Eschweilera coriacea e Eschweilera odora apresentaram médias estatisticamente iguais aos painéis de Pinus taeda, espécie empregada como base referencial. Entre as seis espécies tropicais, os painéis de Eschweilera coriácea, Eschweilera odora, Pouteria guianensis e Byrsonima crispa apresentaram média estatisticamente iguais entre si e superiores em relação aos painéis de Manilkara amazônica e Swartzia recurva.

Para o módulo de elasticidade (MOE), os valores médios variaram de 1719 MPa (Swartzia recurva) a 2692 MPa (Eschweilera coriácea). Os painéis de Eschweilera coriácea apresentaram média estatisticamente superior em relação às demais espécies, inclusive à espécie testemunha (Pinus taeda). Com exceção de Swartzia recurva, os painéis de Byrsonima crispa, Echweilera odora, Manilkara amazônica e Pouteria guianensisi apresentaram médias estatisticamente iguais em relação à espécie testemunha.

Os valores médios de tração perpendicular variaram de 0,70 MPa (Pinus taeda) a 1,01 MPa (Eschweilera odora). Os painéis produzidos com madeiras de Eschweilera odora e Byrsonima crispa apresentaram médias estatisticamente superiores em relação às demais espécies. A menor média de tração perpendicular foi obtida para os painéis de Pinus taeda, sendo estatisticamente inferior em relação às cinco das seis espécies de madeiras tropicais estudadas.

Os valores médios de resistência ao arrancamento de parafusos variaram de 1172 N (Swartzia recurva) a 1395 N (Pinus taeda) para a superfície, e de 1094 N (Manilkara amazônica) a 1580 N (Pinus taeda) para o topo dos painéis. Para a RAP na superfície, os painéis de Byrsonima crispa, Eschweilera coriácea e Pouteria guianensis apresentaram médias estatisticamente iguais aos painéis de Pinus taeda, espécie empregada como base referencial. Para a RAP no topo, os painéis de Byrsonima crispa e Eschweilera odora apresentaram médias estatisticamente iguais a Pinus taeda. Entre as espécies tropicais, com exceção de Eschweilera odora, todas as demais espécies apresentaram médias de RAP no topo estatisticamente iguais entre si.

Discussões

Os valores médios de massa específica básica obtidos para as seis espécies de madeiras tropicais foram bem superiores ao valor médio obtido para o Pinus taeda.

Os resultados para teor de extrativos totais obtidos para todas as espécies estudadas estão abaixo do limite máximo de 10%, conforme citado por Moslemi (1974). Como referência, Prata (2010) obteve para Pinus taeda valor de extrativos totais de 3,48%; Iwakiri et al. (2015) encontraram para duas espécies de madeiras tropicais os seguintes valores de extrativos totais: Inga alba (4,61%) e Swartzia recurva (6,53%).

Todos os valores de pH obtidos para as espécies estudadas estão dentro da faixa de 3,0 a 6,0 conforme relatado por Moslemi (1974). A madeira de Manilkara amazônica apresentou pH abaixo do valor obtido para Pinus taeda de 4,58. Como referência, Prata (2010) obteve para Pinus taeda, valor de pH de 4,7; Iwakiri et al. (2015) encontraram para duas espécies de madeiras tropicais, Inga alba e Swartzia recurva, valores de pH de 5,30 e 5,24 respectivamente.

Com exceção de Pinus taeda, empregada como espécie testemunha, todos os painéis produzidos com as seis espécies de madeiras tropicais apresentaram razão de compactação abaixo de 1.3, valor referenciado como mínimo por Moslemi (1974).

A menor massa específica da madeira de Pinus taeda, e seu efeito sobre o aumento da razão de compactação dos painéis, não contribuiu para a redução da absorção de água. Vital et al. (1974) analisando os efeitos do aumento na razão de compactação dos painéis aglomerados de 1,2 para 1.6, constataram uma redução na absorção de água, e atribuíram a este aumento a maior compactação das partículas de madeira e consequente redução na porosidade, dificultando a entrada de água na estrutura mais fechada dos painéis. Os painéis produzidos com as seis espécies de madeiras tropicais com menor massa específica e maior razão de compactação apresentaram menor absorção de água. Para fins de comparações com os resultados desta pesquisa, Trianoski, Piccardi, Iwakiri, Matos e Bonduelle (2016) encontraram para painéis produzidos com mistura de Pinus taeda com Grevilea robusta, valores de 22,44% a 31,41% para AA 24 h. Portanto, os resultados de absorção 24 horas obtidos para as espécies tropicais podem ser considerados satisfatórios.

O inchamento em espessura é uma propriedade que define a estabilidade dimensional dos painéis aglomerados. Nesta pesquisa, constatou-se que os painéis de Pinus taeda, com maior razão de compactação, apresentaram inchamento em espessura superior em relação aos painéis produzidos com espécies tropicais com maior densidade da madeira e menor razão de compactação. Moslemi (1974) afirma que painéis com maior razão de compactação apresentam maior inchamento em espessura, devido à maior liberação das tensões de compressão resultantes da prensagem, além do inchamento higroscópico da maior quantidade de partículas de madeira.

Os resultados de inchamento em espessura obtidos nesta pesquisa estão compatíveis em relação a alguns valores apresentados na literatura. Trianoski, Iwakiri, Matos e Chies (2013), Iwakiri et al. (2014) e Trianoski et al. (2016), encontraram para painéis produzidos com pinus, valores médios de inchamento em espessura 24 horas de 18,61%, 24,22% e 31,41%, respectivamente.

Tanto para o MOR, quanto para o MOE, não foram constatadas influências significativas da densidade da madeira e da razão de compactação sobre os resultados destas propriedades, indicando a possibilidade de uso de espécies de maior densidade na produção de painéis aglomerados.

Com exceção dos painéis de Swartzia recurva e Manilkara amazonica, todas as demais espécies apresentaram médias de MOR superiores ao requisito mínimo de 13 MPa, conforme estabelecido pela Norma EN 312:2003 (EN, 2003). Já, para o MOE, todos os tratamentos propostos apresentaram médias superiores ao requisito mínimo de 1600 MPa, estabelecido pela referida Norma.

Os valores médios de MOR e MOE obtidos neste trabalho foram satisfatórios em comparação a alguns resultados apresentados na literatura para painéis produzidos com madeira de pinus. Para o MOR os valores referenciados foram de 11,17 MPa (Trianoski, Iwakiri e Matos 2011), 13,94 MPa (Trianoski et al. 2016) e 12,78 MPa (Iwakiri et al. 2014). Já para o MOE, os valores foram de 1581 MPa (Trianoski et al. 2011), 1751 MPa (Trianoski et al. 2016) e 1847 MPa (Iwakiri et al. 2014).

A maior razão de compactação dos painéis de Pinus taeda não contribuiu para o aumento nos resultados de tração perpendicular, conforme relatado na literatura. Da mesma forma, os painéis produzidos com as seis espécies tropicais com razão de compactação abaixo do mínimo recomendado de 1,3 apresentaram resultados satisfatórios para esta propriedade. Os resultados obtidos para todos os tratamentos propostos foram superiores ao requisito mínimo de 0,35 MPa estabelecido pela Norma EN 312:2003 (EN, 2003).

Com relação aos resultados de pesquisas apresentados na literatura, Colli et al. (2010), encontraram para painéis aglomerados produzidos com Schizolobium amazonicum valor médio de tração perpendicular de 0,22 MPa. Já, Vital et al. (1974) encontraram para painéis aglomerados de Virola spp., com razão de compactação de 1,2 : 1.0 (baixa) e 1,6 : 1.0 (alta), valores de tração perpendicular de 0,48 MPa e 0,65 MPa, respectivamente. Para painéis de pinus, Trianoski et al. (2011), Trianoski et al. (2016) e Iwakiri et al. (2014), encontraram valores de tração perpendicular de 1,05 MPa; 1,14 MPa e 0,58 MPa, respectivamente.

Quanto à resistência ao arrancamento de parafusos, todos os tratamentos atingiram os requisitos mínimos estabelecidos pela Norma NBR 14810-2:2006 (ANBT, 2006a) de 1020 N para a superfície e de 800 N para o topo dos painéis.

Os resultados obtidos neste trabalho estão próximos aos encontrados por Bianche (2009), para painéis produzidos com madeiras de Eucalyptus urophylla, Schizolobium amazonicum e Sida spp., cujos valores variaram de 1027 N a 1376 N (topo e superfície). Já para painéis produzidos com madeira de pinus, Trianoski et al. (2016) encontraram valores de RAP-S e RAP-T de 1137 N e 1042 N, respectivamente.

Conclusões

As seis espécies tropicais avaliadas nesta pesquisa apresentaram razão de compactação dos painéis abaixo do mínimo de 1,3 devido a maior massa específica de suas madeiras. Entretanto, esta relação não afetou de forma significativa os resultados das propriedades físicas e mecânicas dos painéis.

Com base nas avaliações comparativas dos resultados desta pesquisa com os requisitos da norma EN 312 (2003) (EN, 2003) e valores obtidos para os painéis de Pinus taeda, utilizada como espécie referencial, pode-se afirmar que, as espécies Byrsonima crispa, Eschweilera coriacea, Eschweilera odora e Pouteria guianensis apresentam grande potencial para produção de painéis aglomerados.

Agradecimentos

Os autores registram seus agradecimentos ao INCT/INPA/CNPq - Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia / Madeiras da Amazônia, pela concessão das madeiras utilizadas nesta pesquisa e ao apoio logístico e financeiro para a coleta e transporte do material até o local de estudo. À empresa BERNCEK Painéis e Serrados S.A., pela doação de partículas de pinus e adesivo utilizado nesta pesquisa.

Referências

1 

Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] (2006a). NBR 14810 - 2 - Chapas de madeira aglomerada - Parte 2 - Requisitos. São Paulo: ABNT.

Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] 2006NBR 14810 - 2 - Chapas de madeira aglomerada - Parte 2 - RequisitosSão PauloABNT

2 

Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] (2006b). NBR 14810 - 3 - Chapas de madeira aglomerada - Parte 3 - Métodos de Ensaios. São Paulo: ABNT

Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] 2006NBR 14810 - 3 - Chapas de madeira aglomerada - Parte 3 - Métodos de EnsaiosSão PauloABNT

3 

Bianche, J. J. (2009). Propriedades de aglomerados fabricados com partículas de Eucalipto (Eucalyptus urophylla), Paricá (Schizolobium amazonicum) e Vassoura (Sida spp.). Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais), Universidade Federal de Viçosa. Viçosa.

J. J. Bianche 2009Propriedades de aglomerados fabricados com partículas de Eucalipto (Eucalyptus urophylla), Paricá (Schizolobium amazonicum) e Vassoura (Sida spp.)MestradoUniversidade Federal de ViçosaViçosa

4 

Comissão Panamericana de Normas Técnicas [COPANT] (1972). COPANT 461. Determinación del peso especifico aparente. Lima; COPANT.

Comissão Panamericana de Normas Técnicas [COPANT] 1972COPANT 461. Determinación del peso especifico aparenteLimaCOPANT

5 

European Standards [ES] (2002a). EN 310. Determination of modulus of elasticity in bending and bending strength. Brussels: ES.

European Standards [ES] 2002EN 310. Determination of modulus of elasticity in bending and bending strengthBrusselsES

6 

European Standards [ES] (2002b). EN 317. Determination of swelling in thickness after immersion in water. Brussels: ES.

European Standards [ES] 2002EN 317. Determination of swelling in thickness after immersion in waterBrusselsES

7 

European Standards [ES] (2002c). EN-319. Determinação da resistência à tração perpendicular às faces da placa. Lisboa: ES.

European Standards [ES] 2002EN-319. Determinação da resistência à tração perpendicular às faces da placaLisboaES

8 

European Standards [ES] (2002d). EN 323. Determinação da massa volúmica. Versão Portuguesa. Lisboa: ES .

European Standards [ES] 2002EN 323. Determinação da massa volúmica. Versão PortuguesaLisboaES

9 

European Standards [ES] (2003). EN 312. Particleboards - Specifications. Brussels: ES .

European Standards [ES] 2003EN 312. Particleboards - SpecificationsBrusselsES

10 

Colli, A., Vital, B. R., Carneiro, A. C. O., Silva, J. C., Carvalho A., N. M. L., & Della Lucia, R. M. (2010). Propriedades de painéis produzidos com partículas de madeira de Paricá (Schizolonium amazonicum Huber ex.Ducke) e fibras de coco. Árvore, 34(2), 333-338.

A. Colli B. R. Vital A. C. O. Carneiro J. C. Silva N. M. L. Carvalho A. R. M. Della Lucia 2010Propriedades de painéis produzidos com partículas de madeira de Paricá (Schizolonium amazonicum Huber ex.Ducke) e fibras de cocoÁrvore342333338

11 

Gonçalves, F. G., Oliveira, J., Lucia, R., & Sartório, R. (2009). Estudo de algumas propriedades mecânicas da madeira de híbrido clonal de Eucalyptus urophylla X Eucalyptus grandis. Árvore, 33(2), 501-509.

F. G. Gonçalves J. Oliveira R. Lucia R. Sartório 2009Estudo de algumas propriedades mecânicas da madeira de híbrido clonal de Eucalyptus urophylla X Eucalyptus grandisÁrvore332501509

12 

Iwakiri, S., Latorraca, J. V. F., Silva, D. A; Gabardo, J. L., Klitzke, R. J., Fofano, A., Fabrowski, F., & Interanmense, M. T. (1996). Produção de chapas de Madeira aglomerada de Pinus elliottii (Engelm) and Eucalyptus dunnii (Maid). Agrárias, 15(2), 33-41.

S. Iwakiri J. V. F. Latorraca D. A Silva J. L. Gabardo R. J. Klitzke A. Fofano F. Fabrowski M. T. Interanmense 1996Produção de chapas de Madeira aglomerada de Pinus elliottii (Engelm) and Eucalyptus dunnii (Maid)Agrárias1523341

13 

Iwakiri, S. , Vianez, B. F., Weber, C., Trianoski, R., & Almeida, V. C. (2012). Avaliação das propriedades de painéis aglomerados produzidos com resíduos de serrarias de nove espécies de madeiras tropicais da Amazônia. Acta Amazônica, 42(1), 59-64.

S. Iwakiri B. F. Vianez C. Weber R. Trianoski V. C. Almeida 2012.Avaliação das propriedades de painéis aglomerados produzidos com resíduos de serrarias de nove espécies de madeiras tropicais da AmazôniaActa Amazônica4215964

14 

Iwakiri, S. , Trianoski, R. , Cunha, A. B., Castro, V. G., Braz, R. L., Villas Boas, B. T., Sanches, F. L., & Bellon, K. R. R. (2014). Evaluation of the quality of particleboard panels manufactured with wood from Sequoia sempervirens and Pinus taeda. Cerne, 20, 209-216.

S. Iwakiri R. Trianoski A. B. Cunha V. G. Castro R. L. Braz B. T. Villas Boas F. L. Sanches K. R. R. Bellon 2014Evaluation of the quality of particleboard panels manufactured with wood from Sequoia sempervirens and Pinus taedaCerne20209216

15 

Iwakiri, S. , Trianoski, R. , Nascimento, C. C., Gumane, C., Lengowski, E. C., Schardosin, F. Z., & Azambuja, R. (2015). Resistência das juntas coladas de madeiras de Inga alba (SW) Wild e swartzia recurva Poep. Cerne, 21(3), 457-463.

S. Iwakiri R. Trianoski C. C. Nascimento C. Gumane E. C. Lengowski F. Z. Schardosin R. Azambuja 2015Resistência das juntas coladas de madeiras de Inga alba (SW) Wild e swartzia recurva PoepCerne213457463

16 

Kelly, M. W. A. (1977). Critical literature review of relationships between processing parameters and physical properties of particleboards. Madison, Winscosin: U.S. Forest Products Laboratory.

M. W. A. Kelly 1977Critical literature review of relationships between processing parameters and physical properties of particleboardsMadison, WinscosinU.S. Forest Products Laboratory

17 

Maloney, T. M. (1993). Modern particleboard and dry-process fiberboard manufacturing (2 ed.). São Francisco: Miller Freeman

T. M. Maloney 1993Modern particleboard and dry-process fiberboard manufacturing2São FranciscoMiller Freeman

18 

Marra, A. A. (1992). Technology of Wood bonding: principles and practice. New York: Van Nostrand Reinhold.

A. A. Marra 1992Technology of Wood bonding: principles and practiceNew YorkVan Nostrand Reinhold

19 

Moslemi, A. A. (1974). Particleboard. London: Southern Illinois University Press.

A. A. Moslemi 1974ParticleboardLondonSouthern Illinois University Press

20 

Prata, J.G. (2012). Estudo da viabilidade tecnológica do uso de espécies de pinus tropicais para produção de painéis colados lateralmente - EGP. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais), Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

J.G. Prata 2012Estudo da viabilidade tecnológica do uso de espécies de pinus tropicais para produção de painéis colados lateralmente - EGPMestradoUniversidade Federal do ParanáCuritiba

21 

Technical Association of the Pulp and Paper Industry [TAPPI] (1997). TAPPI 204. Solvent extractives of wood and pulp. Atlanta: TAPPI.

Technical Association of the Pulp and Paper Industry [TAPPI] 1997TAPPI 204. Solvent extractives of wood and pulpAtlantaTAPPI

22 

Technical Association of the Pulp and Paper Industry [TAPPI] (2002). TAPPI 252. pH and electrical conductivity of hot water extracts of pulp, paper, and paperboard. Atlanta: TAPPI .

Technical Association of the Pulp and Paper Industry [TAPPI] 2002TAPPI 252. pH and electrical conductivity of hot water extracts of pulp, paper, and paperboardAtlantaTAPPI

23 

Trianoski, R. , Iwakiri, S. , & Matos, J. L. M. (2011). Potential use of planted fast-growing species for production of particleboard. Journal of Tropical Forest Science, 23, 311-317.

R. Trianoski S. Iwakiri J. L. M. Matos 2011Potential use of planted fast-growing species for production of particleboardJournal of Tropical Forest Science23311317

24 

Trianoski, R. , Iwakiri, S. , Matos, J. L. M., & Chies, D. (2013). Utilização da madeira de Cryptomeria japonica para produção de painéis aglomerados. Scientia Forestalis, 41, 029-064.

R. Trianoski S. Iwakiri J. L. M. Matos D. Chies 2013Utilização da madeira de Cryptomeria japonica para produção de painéis aglomeradosScientia Forestalis41029064

25 

Trianoski, R. , Piccardi, A. B. R., Iwakiri, S. , Matos, J. L. M. , & Bonduelle, G. M. (2016). Incorporação de Grevilea robusta na produção de painéis aglomerados de Pinus spp. Floresta & Ambiente, 23, 278-285. doi: 10.1590/2179-8087.141515

R. Trianoski A. B. R. Piccardi S. Iwakiri J. L. M. Matos G. M. Bonduelle 2016Incorporação de Grevilea robusta na produção de painéis aglomerados de Pinus sppFloresta & Ambiente2327828510.1590/2179-8087.141515

26 

Tsoumis, G. (1991). Science and technology of wood: structure, properties and utilization. New York: Van Nostrand Reinhold .

G. Tsoumis 1991Science and technology of wood: structure, properties and utilizationNew YorkVan Nostrand Reinhold

27 

Vital, B. R. , Lehmann, W. F., & Boone, R. S. (1974). How species and board densities affect properties of exotic hardwood particleboards. Forest Products Journal, 24(12), 37-45.

B. R. Vital W. F. Lehmann R. S. Boone 1974How species and board densities affect properties of exotic hardwood particleboardsForest Products Journal24123745

Notes

[4] Este documento deve ser citado como:

Iwakiri, S., Trianoski, R., do Nascimento, C. C., Juizo, C. G. F., Lengowski, E. C., Bilcati, G. K., & Gonçalves. (2018). T.Painéis aglomerados produzidos com seis espécies de madeiras tropicais da Amazônia. Madera y Bosques, 24(3), e243371. doi: 10.21829/myb.2018.243371



This display is generated from NISO JATS XML with jats-html.xsl. The XSLT engine is libxslt.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2018 Madera y Bosques

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.


Madera y Bosques, Vol. 24, Núm. 1, Primavera 2018, es una publicación cuatrimestral editada por el Instituto de Ecología, A.C. Carretera antigua a Coatepec, 351, Col. El Haya, Xalapa, Ver. C.P. 91070, Tel. (228) 842-1835, http://myb.ojs.inecol.mx/, mabosque@inecol.mx. Editor responsable: Raymundo Dávalos Sotelo. Reserva de Derechos al Uso Exclusivo 04-2016-062312190600-203, ISSN electrónico 2448-7597, ambos otorgados por el Instituto Nacional del Derecho de Autor. Responsable de la última actualización de este Número, Reyna Paula Zárate Morales, Carretera antigua a Coatepec, 351, Col. El Haya, Xalapa, Ver., C.P. 91070, fecha de última modificación, 25 de abril de 2018.

Las opiniones expresadas por los autores no necesariamente reflejan la postura del editor de la publicación.

Madera y Bosques por Instituto de Ecología, A.C. se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

 

Licencia Creative Commons

  Los aspectos éticos relacionados con la publicación de manuscritos en Madera y Bosques se apegan a los establecidos en el COPE.

  Gestionando el conocimiento