Vol. 26 Núm. 2 (2020): Verano 2020
Artículos Científicos

Resistência natural da madeira de seis espécies à Nasutitermes corniger Motsch. em condição de campo

Felipe Gomes Batista
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Biografía
Rafael Rodolfo de Melo
Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Biografía
Leandro Calegari
Universidade Federal de Campina Grande
Biografía
Dayane Targino de Medeiros
Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Biografía
Pedro Jorge Goes Lopes
Universidade Federal de Santa Maria
Biografía

Publicado 2020-04-23

Resumen

A durabilidade natural da madeira trata-se de excelente característica para destinar as peças de madeira em condições adequadas e eficientes de uso. Portanto, o estudo objetivou-se avaliar a resistência natural de seis espécies florestais madeireiras a cupins xilófagos em condição de campo. As madeiras estudadas das espécies tropicais foram andiroba (Carapa guianensis Aubl.), aroeira (Myracrodruon urundeuva Allemão), cedro (Cedrella sp.), jatobá (Hymenaea courbaril L.), louro canela (Nectandra sp.) e maçaranduba (Manilkara elata (Allemão ex Miq.) Monach.). De cada espécie foram produzidas amostras com dimensões de 7,2 cm × 1,3 cm × 0,9 cm (longitudinal × radial × tangencial). Essas permaneceram expostas por período de 40 dias sob a ação de cupins Nasutitermes corniger Motschulsky em ensaio de preferência alimentar, com determinação da densidade, percentual de perda de massa, índice de deterioração e o índice de susceptibilidade. A madeira de andiroba apresentou maior perda de massa e susceptibilidade ao ataque de N. corniger. Já as espécies cedro e o louro canela demonstraram valores intermediários entre as demais para os aspectos analisados. As madeiras de aroeira, jatobá e maçaranduba se destacaram nos valores de notas atribuídas ao desgaste, bem como, na baixa susceptibilidade ao ataque, tendo demonstrado maior durabilidade natural e resistência biológica ao ataque. Portanto, essas últimas madeiras são as mais indicadas para utilizações que visem promover o seu uso eficiente, a fim de minimizar os danos causados por exposição às térmitas (cupins) xilófagos e maximizar a vida útil e segurança do produto madeireiro.

Citas

  1. American Society for Testing and Materials [ASTM] (2017). ASTM D-3345: Standard method for laboratory evaluation of wood and other cellulosic materials for resistance to termites. En Annual Book of ASTM Standards 4(10) (pp. 430-432).
  2. Bowyer, J. L., Shmulsky, R., & Haygreen, J. G. (2003). Forest products and wood Science: na introduction (4th ed.). Ames, United States of America: Iowa State Press.
  3. Castro, J. P., Perígolo, D. M., Bianchi, M. L., Mori, F. A., Fonseca, A. S., Alves, I. C. N., & Vasconcelos, F. J. Uso de espécies amazônicas para envelhecimento de bebidas destiladas: análises física e química da madeira. Cerne, 21(2), 319-327. doi: 10.1590/01047760201521021567
  4. Constantino, R. (2015). Cupins do Cerrado (1ª ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Technical Books.
  5. Constantino, R. (2017). Termite database: statistics of family, number of genera and number of species. Recuperado de http://www.termitologia.net/termite-database
  6. Cruz, M. N. S., Junior, H. M. S. J., Rezende, C. M., Alves, R. J. V., Cancello, E. M. & Rocha, M. M. (2014). Terpenos em cupins do gênero Nasutitermes (Isoptera, Termitidae, Nasutitermitinae). Química Nova, 37(1), 95-103. doi: 10.1590/S0100-40422014000100018
  7. Curling S. F. & Murphy, R. J. (2002). The use of the Decay Susceptibility Index (DSI) in the evaluation of biological durability tests of wood based board materials. Holz als Roh und Werkstoff, 60(3), 224-226. doi: 10.1007/s00107-002-0284-2
  8. Ferreira, G. (2017). Viabilidade técnica da produção de pellets de resíduos de madeira das espécies Dinizia excelsa Ducke e Manilkara elata (Allemão ex Miq.) Monach. para fins energéticos. Tesis de maestria, Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, Brasil.
  9. Gonzaga, A. L. (2006). Madeira: uso e conservação. (Caderno Técnico, 6). Brasília, Brasil: IPHAN/MONUMENTA.
  10. He, S., Ivanova, N., Kirton, E., Allgaier, M., Bergin, C., Scheffrahn, R. H., Kyrpides, N. C., Warnecke, F., Tringe, S. G. & Hugenholtz, P. (2013). Comparative metagenomic and metatranscriptomic analysis of hindgut paunch microbiota in wood- and dung-feeding higher térmites. Plos One, 8(4), e61126. doi: 10.1371/journal.pone.0061126
  11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2018) Produção da extração vegetal e da silvicultura (PEVS) 2018. Recuperado de https://sidra.ibge.gov.br/tabela/289
  12. Instituto de Pesquisas Tecnológicas [IPT]. (2019). Informações sobre madeiras. Recuperado de https://www.ipt.br/consultas_online
  13. Lepage, E. S. (1970). Manual de preservação de madeiras. São Paulo, Brasil: IPT.
  14. Krishna, K., Grimaldi D. A., Krishna, V., & Engel, M. S. (2013). Treatise on the Isoptera of the world: 3 Neoisoptera excluding Termitidae. Bulletin of the American Museum Natural History, 3(1), 1-377.
  15. Makarona, E., Koutzagioti, C., Salmas, C., Ntalos, G., Skoulikidou, M. C., & Tsamis, C. (2017). Enhancing wood resistance to humidity with nanostructured ZnO coatings. Nano-Structures & Nano-Objects, 10(2), 57-68. doi: 10.1016/j.nanoso.2017.03.003
  16. Paes, J. B., Medeiros Neto, P. N., Lima, C. R., Freitas, M. F., & Diniz, C. E. F. (2013). Efeitos dos extrativos e cinzas na resistência natural de quatro madeiras a cupins xilófagos. Cerne, 19(3), 399-405. doi: 10.1590/S0104-77602013000300006
  17. Paes, J. B., Guerra, S. C. S., Silva, L. F., Oliveira, J. G. L., & São Teago, G. B. (2016). Efeito do teor de extrativos na resistência natural de cinco madeiras ao ataque de cupins xilófagos. Ciência Florestal, 26(4), 1259-1269. doi: 10.5902/1980509825137
  18. Ribeiro, M. A., Stangerlin, D. M., Souza, A. P., Cardoso. G. V., Calegari, L., & Gatto, G. A. (2014). Durabilidade natural da madeira de jequitibá em ensaios de deterioração em campo aberto e floresta durante as estações de seca e chuva. Comunicata Scientiae, 5(4), 402-411. doi: 10.14295/cs.v5i4.262
  19. Silva, L. L. H., Oliveira, L., Calegari, L., Pimenta, M. C., & Dantas, M. K. L. (2017). Características dendrométricas, físicas e químicas da Myracrodruon urundeuva e da Leucaena leucocephala. Floresta e Ambiente, 24(1), e20160022. doi: 10.1590/2179-8087.002216
  20. Stallbaun, P. H., Barauna, E. E. P., Paes, J. B., Ribeiro, N. C., Monteiro, T. C., & Arantes, M. D. C. (2017). Resistência natural da madeira de Sclerolobium paniculatum Vogel a cupins em condições de laboratório. Floresta e Ambiente, 24(1), e20160013. doi: 10.1590/2179-8087.001316