Vol. 28 Núm. 1 (2022): Primavera 2022
Artículos Científicos

Caracterização do bagaço de cana-de-açúcar e suas potencialidades para geração de energia e polpa celulósica

Magnos Alan Vivian
Universidade Federal de Santa Catarina
Biografía
Juliana Rodrigues Siviero dos Santos
Universidade de São Paulo
Biografía
Tiago Edson Simkunas Segura
Universidade de São Paulo
Biografía
Francides Gomes da Silva Júnior
Universidade de São Paulo
Biografía
José Otávio Brito
Universidade de São Paulo
Biografía

Publicado 2022-09-10

Palabras clave

  • pulp,
  • paper,
  • calorific power,
  • energetic potential
  • pulpa celulósica,
  • papel,
  • poder calorífico,
  • potencial energético
  • pâte cellulosique,
  • papier,
  • pouvoir calorifique,
  • potentiel énergétique
  • polpa celulósica,
  • papel,
  • poder calorífico,
  • potencial energético

Resumen

O Brasil é o maior produtor mundial de cana, a partir da qual se obtém o açúcar e o etanol. Porém após o processo produtivo sobram resíduos, entre os quais se destaca o bagaço, que gera milhões de toneladas anualmente. O bagaço pode ser utilizado para várias finalidades, no entanto é importante conhecer suas propriedades e aptidões para realizar o melhor aproveitamento possível. Desta forma, o presente estudo teve como objetivo avaliar as propriedades físicas, químicas e anatômicas do bagaço, bem como seu potencial para geração de energia e produção de polpa celulósica. As avaliações das características e potencialidades do bagaço seguiram as recomendações e normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT], Technical Association of Pulp and Paper Industry [TAPPI] e International Association of Wood Anatomists [IAWA]. Com base nos resultados observou-se baixa densidade aparente (0,048 g/cm3); alto teor de cinzas (5,8%) e extrativos (5,7%), e baixo teor de lignina (24,5%); fibras com comprimento moderadamente longo (1,60 mm), sendo as demais dimensões compatíveis com a madeira de eucalipto; e indicadores anatômicos de qualidade regulares para produção de papel. O bagaço apresenta bom potencial energético in natura, e o tratamento térmico proporciona um ganho significativo neste quesito. Além disso, o bagaço também apresenta bom potencial para produção de polpa celulósica, com rendimentos similares aos relatados para a madeira de eucalipto, porém com maior teor de rejeitos, e menor viscosidade e teor de ácidos hexenurônicos. De forma geral, o bagaço de cana-de-açúcar tem propriedades interessantes e pode ser melhor aproveitado, seja para geração de energia ou produção de polpa celulósica.

Citas

  1. Almeida, G., Brito, J. O., & Perre, P. (2009). Changes in wood–water relationship due to heat treatment assessed using micro-samples of Eucalyptus. Holzforschung, 63(1), 80-88. https://doi.org/10.1515/HF.2009.026
  2. Arias, B., Pevida, C., Fermoso, J., Plaza, M.G., Rubiera, F., & Pis, J.J. (2008). Influence of torrefaction on the grindability and reactivity of woody biomass. Fuel Processing Technology, 89(2), 169-175. https://doi.org/10.1016/j.fuproc.2007.09.002
  3. Assad, L. (2017). Aproveitamento de resíduos do setor sucroalcooleiro desafia empresas e pesquisadores. Ciência e Cultura, 69(4), 13-16. https://doi.org/10.21800/2317-66602017000400005
  4. Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] (1984). NBR-8633: carvão vegetal: determinação do poder calorífico: método de ensaio. Rio de Janeiro: ABNT.
  5. Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] (1986). NBR 8112: carvão vegetal: análise imediata: método de ensaio. Rio de Janeiro: ABNT.
  6. Banerjee, R., & Pandey, A. (2002). Bio-industrial applications of sugarcane bagasse: a technological perspective. International Sugar Journal, 104(1238), 64-67.
  7. Bassa, A. G. M. C., Silva Junior, F. G., & Sacon, V. M. (2007). Misturas de madeira de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla e Pinus taeda para produção de celulose kraft através do Processo Lo-Solids®. Scientia Forestalis, 75, 19-29.
  8. Bonassa, G., Schneider, L. T., Frigo, K. D. A., Feiden, A., Teleken, J. G., & Frigo. E. P. (2015). Subprodutos gerados na produção de bioetanol: bagaço, torta de filtro, água de lavagem e palhagem. Revista Brasileira de Energias Renováveis, 4, 144-166. https://doi.org/10.5380/rber.v4i3.44075
  9. Bufalino, L., Protásio, T. P., Couto, A. M., Nassur, O. A. C., Sá, V. A., Trugilho, P.F. & Mendes, L. M. (2012). Caracterização química e energética para aproveitamento da madeira de costaneira e desbaste de cedro australiano. Pesquisa Florestal Brasileira, 32(70), 129-137.
  10. Carvalho, F. B. P. (2018). Pré-tratamento de bagaço de cana-de-açúcar por autohidrólise, com ênfase na reutilização de água [Tese de mestrado, Universidade de Brasília].
  11. Costa, M. M., Mounteer, A. H., & Colodette, J. L. (2001). Ácidos hexenurônicos. Parte I: origem, quantificação, reatividade e comportamento durante a polpação Kraft. O Papel, 62(5), 75-85.
  12. Demirbas, A. (2004). Combustion characteristics of different biomass fuels. Progress in Energy and Combustion Science, 30(2), 219-230. https://doi.org/10.1016/j.pecs.2003.10.004
  13. Duarte, F. A. S. (2007). Avaliação da madeira de Betula pendula, Eucalyptus globulus e de híbrido de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla destinadas à produção de polpa celulósica kraft [Tese de mestrado, Universidade de São Paulo].
  14. International Association of Wood Anatomists Committee [IAWA] (1989). List of microscopic features for hardwood identification. IAWA Bulletin, 10(3), 220-332.
  15. Klock, U. (2013). Polpa e Papel – Propriedades do papel. Universidade Federal do Paraná. http://www.madeira.ufpr.br/disciplinasklock/polpaepapel/papelpropriedades2013.pdf
  16. Manimekalai, V., Pavichandran, P., & Balasubramanian, A. (2002). Fibres of Sorghum bicolor (L.) Moench and their potential use in paper and board making. Phytomorphology, 52(1), 61-67.
  17. Mckendry, P. (2002). Energy production from biomass (part 1): overview of biomass. Bioresources Technology, 83(1), 37-46. https://doi.org/10.1016/S0960-8524(01)00118-3
  18. Mendes, M. G., Gomes, P. A., & Oliveira, J. B. (1982). Propriedades e controle de qualidade do carvão vegetal. Em W. R. Penedo (Ed.), Produção e utilização de carvão vegetal (p. 74-89). Centro Tecnológico de Minas Gerais.
  19. Metcalfe, C. R., & Chalk, L. (1983). Anatomy of the dicotyledons: wood structure and conclusion of the general introduction (2nd ed.). Clarendon Press.
  20. Moutinho, V. H. P, Rocha, J. J. M., Amaral, E. P., Santana, L. G. M. & Águiar, O. J. R. (2016). Propriedades químicas e energéticas de madeiras amazônicas do segundo ciclo de corte. Floresta e Ambiente, 23(3), 443-449. https://doi.org/10.1590/2179-8087.131715
  21. Nascimento, V. M. (2011). Pré-tratamento alcalino (NaOH) do bagaço de cana-de açúcar para a produção de etanol e obtenção de xilooligômeros [Tese de mestrado, Universidade Federal de São Carlos].
  22. Nisgoski, S. (2005). Espectroscopia no infravermelho próximo no estudo de características da madeira e papel de Pinus taeda L. [Tese de doutorado, Universidade Federal do Paraná].
  23. Nisgoski, S., Muñiz, G. I. B., Trianoski, R., Matos, J. L. M., & Venson, I. (2012). Características anatômicas da madeira e índices de resistência do papel de Schizolobium parahyba (Vell.) Blake proveniente de plantio experimental. Scientia Forestalis, 40(94), 203-211.
  24. Paoliello, J. M. M. (2006). Aspectos ambientais e potencial energético no aproveitamento de resíduos da indústria sucroalcooleira [Tese de mestrado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”].
  25. Paula, L. E. R., Trugilho, P. F., Napoli, A., & Bianchi, M. L. (2011). Characterization of residues from plant biomass for use in energy generation. Cerne, 17(2), 237-246. https://doi.org/10.1590/S0104-77602011000200012
  26. Pego, M. F. F., Bianchi, M. L., & Veiga, T. R. L. A. (2019). Avaliação das propriedades do bagaço de cana e bambu para produção de celulose e papel. Revista de Ciências Agrárias, 62, 1-11. https://doi.org/10.22491/rca.2019.3158
  27. Santos, J. R. S. (2012). Estudo da biomassa torrada de resíduos florestais de eucalipto e bagaço de cana-de-açúcar para fins energéticos [Tese de mestrado, Universidade de São Paulo].
  28. Santos, J. R. S. (2020). Caracterização de resíduos madeireiros reprocessados para uso energético [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, Piracicaba].
  29. Segura, T. E. S. (2012). Avaliação das madeiras de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla e Acacia mearnsii para a produção de celulose kraft pelos processos convencional e Lo-Solids® [Tese de mestrado, Universidade de São Paulo].
  30. Segura, T. E. S. (2015). Avaliação das madeiras de Corymbia citriodora, Corymbia torelliana e seus híbridos visando à produção de celulose kraft branqueada [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo].
  31. Segura, T. E. S., Santos, J. R. S., Sarto, C., & Silva, Júnior, F. G. (2016). Effect of kappa number variation on modified pulping of Eucalyptus. BioResources, 11(4), 9842-9855. https://doi.org/10.15376/biores.11.4.9842-9855
  32. Shimoyama, V. R. S., & Wiecheteck, M. S. S. (1993). Características da madeira e da pasta termomecânica de Pinus patula var. tecunumanii para produção de papel imprensa. IPEF, 9(27), 63-80.
  33. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (2002a). T 211 om-02. Ash in wood, pulp, paper and paperboard:combustion at 525°C. Atlanta: TAPPI.
  34. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (2002b). T 222 om-02. Acid-insoluble lignin in wood and pulp. Atlanta: TAPPI.
  35. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (1997). T 204 cm-97. Solvent extractives of wood and pulp. Atlanta: TAPPI.
  36. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (1999). T 236 om-99. Kappa number of pulp. Atlanta: TAPPI.
  37. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (2004). T 230 om-04. Viscosity of pulp (capillary viscometer method). Atlanta: TAPPI.
  38. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (2007). T 282 pm-07. Hexeneuronic acid content of chemical pulp. Atlanta: TAPPI.
  39. Tostes, L. C. L., Machado, S. R., Carim, M. J. V., & Guimarães, J. R. S. (2013). Morfometria das fibras do sistema radicular de Philodendron bipinnatifidum Schott (Família Araceae; subgênero Meconostigma). Biota Amazônia, 3(3), 15-22. https://doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v3n3p15-22.
  40. União da Indústria de Cana-de-Açúcar [Unica] (2021). Produção safra 2019/2020. https://observatoriodacana.com.br/historico-de-producao-e-moagem.php?idMn=32&tipoHistorico=4
  41. Ventorim, G., Oliveira, K. D., Colodette, J. L., & Costa, M. M. (2006). Influência do número kappa, dos ácidos hexenurônicos e da lignina no desempenho da deslignificação com oxigênio. Scientia Forestalis, 71, 87-97.
  42. Vivian, M. A., Modes, K. S., & Caetano, A. P. (2020). Potencial da madeira de Pinus glabra para produção de polpa celulósica. Madera y Bosques, 26(3), e2632058. https://doi.org/10.21829/myb.2020.2632058
  43. Vivian, M. A., Segura, T. E. S., Bonfatti Junior, E. A., Sarto, C., Schmidt, F., Silva Júnior, F. G., Gabov, K., & Fardim, P. (2015). Qualidade das madeiras de Pinus taeda e Pinus sylvestris para a produção de polpa celulósica kraft. Scientia Forestalis, 48(105), 183-191.
  44. Vivian, M. A., & Silva Júnior, F. G. (2017). Efeito da antraquinona na curva de cozimento kraft para madeira do híbrido Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla. Pesquisa Florestal Brasileira, 37(92), 457-464. https://doi.org/10.4336/2017.pfb.37.92.1267
  45. Vivian, M. A., Silva Júnior, F. G., Fardim, P., & Segura, T. E. S. (2017). Evaluation of yield and lignin extraction from Eucalyptus grandis × Eucalyptus urophylla wood chips with the hydrotropic compound sodium xylenesulphonate (SXS). BioResources, 12(3), 6723-6735. https://doi.org/10.15376/biores.12.3.6723-6735
  46. Werther J., Saenger, M., Hartge, E. U., Ogada, T., & Siagi, Z. (2000). Combustion of agricultural residues. Progress in Energy and Combustion Science, 26(1), 1-27. https://doi.org/10.1016/S0360-1285(99)00005-2
  47. Yildiz, S., Gezer, E. D., & Yildiz, U. C. (2006). Mechanical and chemical behavior of spruce wood modified by heat. Building and Environment, 41(12), 1762–1766. https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2005.07.017