Vol. 26 Núm. 3 (2020): Otoño 2020
Artículos Científicos

Potencial da madeira de Pinus glabra para produção de polpa celulósica

Magnos Alan Vivian
Universidade Federal de Santa Catarina
Biografía
Karina Soares Modes
Universidade Federal de Santa Catarina
Biografía
Ana Paula Caetano
Universidade Federal de Santa Catarina
Biografía

Publicado 2020-12-16

Resumen

Há mais de um século as espécies de Pinus estão presentes no Brasil, com destaque para o Pinus taeda, com aplicações em diversos setores. Entretanto o Pinus glabra, objeto deste estudo, não conta com muitas informações sobre o potencial tecnológico de sua madeira. Assim o objetivo do estudo é inferir sobre a qualidade da madeira do P. glabra para produção de polpa celulósica, comparando-a ao P. taeda, principal espécie empregada para fabricação de polpa celulósica de fibra longa no Brasil. Para isso foram abatidas quatro árvores, das quais retiraram-se discos visando a caracterização física, química e anatômica da madeira. Em relação a densidade básica (massa seca/volume verde), observaram-se os valores médio e ponderado de 0,421 g/cm-3 e 0,424 g/cm-3, respectivamente, o que a classifica como de baixa densidade. Na caracterização anatômica obtiveram-se os valores médios de comprimento de 3,14 mm, largura de 27,18 µm, diâmetro do lúmen de 15,39 µm e espessura da parede de 5,89 µm dos traqueídeos, que resultaram em 44,72%, 55,28%, 0,90 e 120,72 para os parâmetros de fração parede, coeficiente de flexibilidade, índice de Runkel e índice de enfeltramento, respectivamente. Para a composição química foram observados baixos teores de cinzas (0,25%) e extrativos (1,91%), e teores intermediários de lignina (29,93%) e holocelulose (67,91%). Desta forma a madeira de P. glabra apresenta potencial para produção de polpa celulósica, o qual deve ser comprovado por meio de ensaios de polpação.

Citas

  1. Ampessan, C. G. M. (2015). Idade da madeira na qualidade de polpa e do papel. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Santa Catarina, Lages, Brasil.
  2. Andrade, A. S. (2006). Qualidade da madeira, celulose e papel em Pinus taeda L.: Influência da Idade e Classe de Produtividade. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.
  3. Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] (2003). NBR 11941: Madeira: Determinação da densidade básica. Rio de Janeiro: ABNT.
  4. Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas [ABRAF] (2013). Anuário Estatístico 2013, ano base 2012. Brasília: ABRAF.
  5. Associação Catarinense de Empresas Florestais [ACR] (2016). Anuário Estatístico de base florestal para o estado de Santa Catarina 2016, ano base 2015. Lages: ACR.
  6. Balloni, C. J. V. (2009). Caracterização física e química da madeira de Pinus elliottii. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Itapeva, Brasil.
  7. Barbosa, L. C. A., Maltha, C. R. A., & Cruz, M. P. (2005). Composição química de extrativos lipofílicos e polares de madeira de Eucalyptus grandis. Revista Ciência & Engenharia, 15(2), 13-20.
  8. Bortoletto Junior, G. (1999). Estudo da qualidade da madeira de Pinus taeda proveniente de árvores adultas atingidas por incêndio florestal. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.
  9. Camargo, S. K. C. A., Silva, T. J., & Costa, D. M. (2015). Influência da dimensão e qualidade dos cavacos na polpação. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. 19(3), 813-820. doi: 10.5902/2236117018558
  10. Coelho, U. M. (2017). Avaliação tecnológica da madeira de Pinus maximinoi visando sua utilização industrial na produção de celulose kraft. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil.
  11. Dobner Jr., M., Nicoletti, M. F., Novack Jr., N. S., & Nunes, G. C. (2019). Growth of Pinus glabra in Southern Brazil. Floresta. 49(2), 277-286. doi: 10.5380/rf.v49 i2.57531
  12. Durlo, M. A. (1991). Tecnologia da madeira: peso específico. CEPEF. Universidade Federal de Santa Maria, Série técnica nº 8.
  13. Foelkel, C. E. B., Ferreira, M., Nehring, J. H., & Rolim, M. B. (1975). Variabilidade no sentido radial de madeira de Pinus elliottii. IPEF, 10, 1-11.
  14. Indústria Brasileira de Árvores [IBÁ] (2019). Relatório Anual 2019. São Paulo: IBÁ. Recuperado de https://iba.org/datafiles/publicacoes/relatorios/iba-relatorioanual2019.pdf
  15. Indústria Brasileira de Árvores [IBÁ] (2018). Sumário Executivo 2018. São Paulo: IBÁ. Recuperado de https://iba.org/datafiles/publicacoes/relatorios/digital-sumarioexecutivo-2018.pdf
  16. Klock, U. (2000). Qualidade da madeira juvenil de Pinus maximinoi h. E. Moore. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.
  17. Klock, U., Muñiz, G. I. B., Hernandez, J. Á., & Andrade, A.S. (2005). Química da madeira (3ª ed.). Curitiba, Brasil: Universidade Federal do Paraná.
  18. Nigoski, S. (2005). Espectroscopia no infravermelho próximo no estudo de características da madeira e papel de Pinus taeda L. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.
  19. Revista da Madeira (REMADE). (2009). Pinus: Indicações para escolha de espécies de pinus. Ed. n° 119. Recuperado de http://www.remade.com.br/br/revistadamadeira_materia.php?num=1381&subject=Pinus&title=Indica%E7%F5es%20para%20escolha%20de%20esp%E9cies%20de%20pinus
  20. Rezende, M. A., Saglietti, J. R. C., & Guerrini, I. A. (1995). Estudo das interrelações entre massa específica, retratibilidade e umidade da madeira do Pinus caribaea var. hondurensis aos 8 anos de idade. IPEF, 48(49), 133-141.
  21. Runkel, R. O. H. (1952). Pulp from tropical wood. Tappi Journal, 35(4), 174-178.
  22. Segura, T. E. S. (2012). Avaliação das madeiras de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla e Acacia mearnsii para a produção de celulose kraft pelos processos convencional e Lo-Solids®. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil.
  23. Segura, T. E. S. (2015). Avaliação das madeiras de Corymbia citriodora, Corymbia torelliana e seus híbridos visando à produção de celulose kraft branqueada. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil.
  24. Silva, J. (2001). Importância do eucalipto para a indústria de celulose no Brasil. Revista da Madeira, 59: 90-92, 2001. Recuperado de http://www.remade.com.br/br/revistadamadeira_materia.php?num=6&subject=Celulose&title=Import%E2ncia%20do%20Eucalipto%20para%20a%20Ind%FAstria%20de%20Celulose%20no%20Brasil.
  25. Siqueira, K. P. (2004). Variabilidade da massa específica de Pinus taeda L. em diferentes classes de sítio. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.
  26. Shimizu, J. Y. (2008). Pinus na silvicultura brasileira. Embrapa Florestas (1ª ed). Colombo: Embrapa Florestas.
  27. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (2002). T 211 om-02. Ash in wood, pulp, paper and paperboard: combustion at 525°C. Atlanta: TAPPI.
  28. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (1997). T 264 cm-97. Preparation of wood for chemical analysis. Atlanta: TAPPI.
  29. Technical Association of The Pulp and Paper Industry [TAPPI] (2002). T 222om-02. Acid-insoluble lignin in wood and pulp. Atlanta: TAPPI.
  30. Trianoski, R., Matos, J. L. M., Iwakiri, S., & Prata, J. G. (2013). Variação longitudinal da densidade básica da madeira de espécies de pinus tropicais. Floresta, 43(3), 503-510. doi: 10.5380/rf.v43i3.28252
  31. Vivian, M. A., Segura, T. E. S., Bonfatti Junior, E. A., Sarto, C., Schmidt, F., Silva Júnior, F. G., Gabov, K. & Fardim, P. (2015). Qualidade das madeiras de Pinus taeda e Pinus sylvestris para a produção de polpa celulósica kraft. Scientia Forestalis, 48(105), 183-1911.