Vol. 27 Núm. 1 (2021): Primavera 2021
Artículos Científicos

Crescimento de mudas de Poincianella pluviosa (DC.) L.P.Queiroz em diferentes substratos e lâminas de irrigação

Victória Vieira Fantaus Pinto
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Biografía
Mateus Marques Bueno
Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Minas Gerais
Biografía
Luiz Fernando de Sousa Antunes
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Biografía
Jorge Makhlouta Alonso
Investigador Autónomo
Biografía
Gustavo Wyse Abaurre
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Biografía

Publicado 2021-09-06

Resumen

O Brasil tem hoje uma demanda por 21 milhões de hectares de restauração florestal, e como consequência, uma enorme demanda por mudas nativas. Desta forma, torna-se essencial o uso de técnicas que possam maximizar o uso dos substratos e da água de irrigação, visando a produção de mudas de alta qualidade. Diante deste cenário, o presente estudo teve como objetivo avaliar o crescimento de mudas de Poincianella pluviosa (DC.) L.P.Queiroz produzidas em quatro substratos elaborados a partir de diferentes resíduos (subsolo, lodo de esgoto, serragem compostada e moinha de carvão) e sob duas lâminas de irrigação (0,03 L/h e 0,05 L/h) por dia. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado com esquema fatorial 4 × 2 (quatro tipos de substratos e duas lâminas d’água), totalizando oito tratamentos. Os substratos foram avaliados quanto às suas características físicas e químicas. Foram mensuradas a altura, o diâmetro de colo e a massa seca da parte aérea e radicular das mudas após 105 dias de emergência. Os substratos S1- lodo de esgoto puro e S4- lodo de esgoto + serragem (1:1) apresentaram melhores características físicas e os substratos S1- lodo de esgoto puro e S3-lodo de esgoto + moinha de carvão (1:1) exibiram melhor composição nutricional. Para crescimento em altura não foram observadas diferenças entre os substratos e lâminas de irrigação testados. Os substratos constituídos por 50% de lodo e 50% de moinha de carvão ou serragem e com a maior lâmina de irrigação resultaram em mudas com maior diâmetro, biomassa e qualidade, sendo os mais indicados à produção de P. pluviosa.

Citas

  1. Abreu, A. H. M., Leles, P. S. S., Melo, L. A., Oliveira, R. R, & Ferreira, D. H. A. A. (2017a). Caracterização e potencial de substratos formulados com biossólido na produção de mudas de Schinus terebinthifolius e Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos. Ciência Florestal, 27(4), 1179-1190. doi: 10.5902/1980509830300
  2. Abreu, A. H. M., Marzola, L. B., Melo, L. A., Leles, P. S. S., Abel, E. L. S., & Alonso, J. M. (2017b). Urban solid waste in the production of Lafoensia pacari seedlings. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 21(2), 83-87. doi: 10.1590/1807-1929/agriambi.v21n2p83-87
  3. Alonso, J. M., Abreu, A. H. M., Melo, L. A., Leles, P. S. S., & Cabreira, G. V. (2018). Biosolids as substrate for the production of Ceiba speciosa seedlings. Cerne, 24(4), 420–429. doi: 10.1590/01047760201824042568
  4. Araujo, M. M., Navroski, M. C., Schorn, L. A., Tabaldi, L. A., Rorato, D. G., Turchetto, F., Zavistanovicz, T. C., Berghetti, A. L. P., Aimi, S. C., Tonetto, T. S., Gasparin, E., Kelling, M. B., Ávila, A. L., Dutra, A. F., Mezzomo, J. C., Gomes, D. R., Griebeler, A. M., Silva, M.R., Barbosa, F.M. & Lima, M.S. (2018). Caracterização e análise de atributos morfológicos e fisiológicos indicadores da qualidade de mudas em viveiro florestal. Em M. M. Araujo, M. C. Navroski, & L. A. Schorn (Eds.), Produção de sementes e mudas, um enfoque à silvicultura (pp. 345-366). Santa Maria (RS), Brasil: Editora UFSM.
  5. Berton, R. S., & Nogueira T. A. R. (2010). Uso de lodo de esgoto na agricultura. Em A. R. Coscione, T. A. R. Nogueira, & A. M. M. Pires. Uso agrícola de lodo de esgoto: avaliação após a resolução nº 375 do CONAMA (pp. 31-50). Botucatu, Brasil: Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais.
  6. Cabreira, G. V., Leles, P. S. S., Alonso, J. M., Abreu, A. H. M., Lopes, N. F., & Santos, G. R. (2017). Biossólido como componente de substrato para produção de mudas florestais. Revista Floresta, 47(2), 165–176. doi: 10.5380/rf.v47i2.44291
  7. Caldeira, M. V. W., Rosa, G. N., Fenilli, T. A. B., & Harbs, R. M. P. (2008). Composto orgânico na produção de mudas de aroeira-vermelha. Scientia Agraria, 9(1), 27-33. doi: 10.5380/rsa.v9i1.9898
  8. Caldeira, M. V. W., Peroni, L., Gomes, D. R., Delarmelina, W. M., & Trazzi, P. A. (2012). Diferentes proporções de biossólido na composição de substratos para a produção de mudas de timbó (Ateleia glazioveana Baill). Scientia Forestalis, 40(93), 15–22.
  9. Carvalho, D. F., Silva, L. D. B., Folegatti, M. V., Costa, J.R., & Cruz, F. A. (2006). Avaliação da evapotranspiração de referência na região de Seropédica-RJ, utilizando lisímetro de pesagem. Revista Brasileira de Agrometeorologia, 14(2), 108-116.
  10. Carvalho, P. E. R. (2008). Espécies Arbóreas Brasileiras Volume 3 (1ª ed.) Brasília, Brasil: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).
  11. Coutinho, P. R. O. S., Valcarcel, R., Rodrigues, P. J. F. P., & Braga, J. M. A. (2019). Restauração passiva em pastagens abandonadas a partir de núcleos de vegetação na Mata Atlântica, Brasil. Ciência Florestal, 29(3), 1307-1323. doi: 10.5902/1980509827844
  12. Duarte, M. L., Paiva, H. N., Alves, M. O., Freitas, A. F., Maia, F. F., & Goulart, L. M. L. (2015). Crescimento e qualidade de mudas de vinhático (Platymenia foliolosa Benth.) em resposta à adubação com potássio e enxofre. Ciência Florestal, 25(1), 221–229. doi: 10.5902/1980509817480
  13. Faria, J. C. T., Caldeira, M. V. W., Delarmelina, W. M., & Gonçalves, E. O. (2013). Uso de resíduos orgânicos no crescimento de mudas de Mimosa setosa. Pesquisa Florestal Brasileira, 33(76), 409–418. doi: 10.4336/2013.pfb.33.76.501
  14. Fermino, M. H. (2003). Métodos de análise para caracterização física de substratos para plantas. Tese, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS), Brasil.
  15. Frizzone, J. A. (2008). Uniformidade e Eficiência. ESALQ/USP, Piracicaba (SP), Brasil. Disponível em: http://www.leb.esalq.usp.br/leb/disciplinas/Frizzone/LEB_1571/
  16. Gomes, J. M., & Paiva, H. N. (2006). Viveiros florestais (propagação sexuada) (1ª ed.). Viçosa (MG), Brasil: Editora UFV.
  17. Gonçalves, L. M., & Poggiani, F. (1996). Substratos para produção de mudas florestais. Em Congresso Latino-Americano de Ciência do Solo, 13. Resumos..., Piracicaba (SP), Brasil: Sociedade Latino-Americana de Ciência do Solo, CD-ROM.
  18. Gonçalves, J. L. M., Santarelli, E. D., Neto, S. P. M., & Manara, M. P. (2000). Produção de mudas de espécies nativas: substrato, nutrição, sombreamento e fertilização. Em J. L. M. Gonçalves, & V. Benedetti (Eds.), Nutrição e fertilização florestal (pp. 309-350). Piracicaba (SP), Brasil: IPEF.
  19. Gonçalves, O. E., Petri, G. M., Caldeira, M. V. W., Dalmaso, T. T., & Silva, A. G. (2014) Crescimento de mudas de Ateleia glazioviana em substratos contendo diferentes materiais orgânicos. Floresta e Ambiente, 21(3), 339-348. doi: 10.1590/2179-8087.029213
  20. Grossnickle, S. C. (2012). Why seedlings survive: influence of plants attributes. New Forests, 43(1), 711-738. doi: 10.1007/s11056-012-9336-6
  21. Instituto Estadual do Ambiente [Inea]. (2019). Observatório Florestal Fluminense. Disponível em: https://www.restauracaoflorestalrj. org/observatorio
  22. Instituto Nacional de Meteorologia [Inmet]. (2019). Dados Meteorológicos. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/
  23. José, A. C., Davide, A. C., & Oliveira, S. L. (2005). Produção de mudas de aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi.) para recuperação de áreas degradadas pela mineração de bauxita. Revista Cerne, 11(2), 187-196.
  24. Kämpf, A. N. (2005). Produção comercial de plantas ornamentais (2ª ed.). Guaíba (RS), Brasil: Agrolivros.
  25. Kratz, D., Wendling, I., Nogueira, A.C., & Souza, P. V. (2013). Propriedades físicas e químicas de substratos renováveis. Revista Árvore, 37(6), 1103-1113. doi: 10.5380/rf.v45i2.31249
  26. Kratz, D., Nogueira, A. C., Wendling, I., & Souza, P. V. D. (2015). Substratos renováveis para produção de mudas de Mimosa scabrella. Revista Floresta, 45(2), 393-408. doi: 10.5380/rf.v45i2.31249
  27. Kratz, D., Nogueira, A. C., Wendling, I., & Mellek, J. E. (2017). Physic-chemical properties and substrate formulation for Eucalyptus seedlings production. Scientia Forestalis, 45(113), 63-76. doi: 10.18671/scifor.v45n113.06
  28. Leles, P. S. S., Lisboa, A. C., Oliveira Neto, S. N., Grugiki, M. A., & Ferreira, M. A. (2006). Qualidade de mudas de quatro espécies florestais produzidas em diferentes tubetes. Floresta e Ambiente, 13(1), 69–78.
  29. Moraes, L. F. D., Assumpção, J. M., Pereira, T. S., & Luchiari, C. (2013). Manual técnico para a restauração de áreas degradadas no Estado do Rio de Janeiro (1ª ed.). Rio de Janeiro (RJ), Brasil: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
  30. Morais, W. W. C., Susin, F., Vivian, M. A., & Araújo, M. M. (2012). Influência da irrigação no crescimento de mudas de Schinus terebinthifolius. Pesquisa Florestal Brasileira, 32(69), 23-28. doi: 10.4336/2012.pfb.32.69.23
  31. Oliveira, D. M., Caron, B. O., Elli, E. F., Monteiro, G. C., Schwerz, F., Basso, C. J., & Manfron, P.A. (2017). Production and quality of Caesalpinia pluviosa seedlings in different substrates. Científica, 45(1), 1-8. doi: 10.15361/1984-5529.2017v45n1p1-8
  32. Pinto, L., Souza, D., Novaes, A., Paula, R., & Júnior, A. (2017). Qualidade de mudas de Caesalpinia peltophoroides Benth. produzidas em diferentes recipientes. Enciclopédia Biosfera, 14(25), 1095–1104. doi: 10.18677/EnciBio_2017A88
  33. Raij, B., Andrade, J. C., Cantarella, H., & Quaggio, J. A. (2001). Análise química para avaliação da fertilidade de solos tropicais. São Paulo (SP), Brasil: Editora IAC.
  34. R Core Team (2020). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. https://www.R-project.org/
  35. Ribeiro, M. C., Metzger, J. P., Martensen, A. C., Ponzoni, F. J., & Hirota, M. M. (2009). The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, 142(6), 1141–1153. doi: 10.1016/j.biocon.2009.02.021
  36. Sabonaro, D. Z., & Galbiatti, J. A. (2011). Seedling growth of Schizolobium parahyba on different substrates and irrigation levels. Rodriguésia, 62(3), 467–475. doi: 10.1590/2175-7860201162303
  37. Scalon, S. P. Q., Mussury, R. M., Euzébio, V. L. M., Kodama, F. M., & Kissmann, C. (2011). Estresse hídrico no metabolismo e crescimento inicial de mudas de mutambo (Guazuma ulmifolia Lam.). Ciência Florestal, 21(4), 655-662. doi: 10.5902/198050984510
  38. Silva, J. G., Tagliaferre, C., Paula, A., Lemos, O. L., & Rocha, F. A. (2019). Influência da lâmina de água e consumo hídrico de cinco essências florestais. Brazilian Journal of Irrigation and Drainage, 24(2), 303-319. doi: 10.15809/irriga.2019v24n2p303-319
  39. Silva, L. O. C., Fonseca, A. C., Sivisaca, D. C. L., Silva, M. R., Villas Boas, R. L., & Guerrini, I.A. (2020). Sewage sludge compost associated to frequency of irrigation for Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert seedlings production. Floresta, 50(2), 1389-1398. doi:10.5380/rf.v50i2.64158
  40. Siqueira, D. P., Barroso, D. G., Carvalho, G. C. M. W., Erthal, R. M., Rodrigues, M. C. C. & Marciano, C. R. (2019). Sewage sludge treated in the substrate composition for Plathymenia reticulata Benth seedling production. Ciência Florestal, 29(2), 728–739. doi: 10.5902/1980509827297
  41. Sobral, L. F., Barreto, M. C. V., Silva, A. J., & Anjos, J. L. (2015). Guia prático para interpretação de resultados de análises de solo (1ª ed.). Aracaju (SE), Brasil: Embrapa Tabuleiros Costeiros.
  42. SOS Mata Atlântica, & Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais [Inpe]. (2019). Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica: Período 2017-2018. Disponível em: https://www.sosma.org.br/wp-content/uploads/2019/05/Atlas-mata-atlantica_17-18.pdf
  43. Souchie, F. F., Junior, B. H. M., Petter, F. A., Madari, B. E., Marimon, B. S, & Lenza, E. (2011). Carvão pirogênico como condicionante para substrato de mudas de Tachigali vulgaris L. G. Silva & H. C. Lima. Ciência Florestal, 21(4), 811-821. doi: 10.5902/198050984526
  44. Trigueiro, R. M., & Guerrini, I. A. (2014). Utilização de lodo de esgoto na produção de mudas de aroeira-pimenteira. Revista Árvore, 38(4), 657-665. doi: 10.1590/S0100-67622014000400009
  45. Wendling, I., & Gatto, A. (2012). Substratos, adubação e irrigação na produção de mudas (2ª ed.). Viçosa (MG), Brasil: Aprenda Fácil Editora.
  46. Zapata, N., Guerrero, F. & Polo, A. (2005). Evaluación de corteza de pino y residuos urbanos como componentes de substratos de cultivo. Agricultura Técnica, 65(4), 378-387. doi: 10.4067/S0365-28072005000400004